LANÇAMENTO

"Cântico das Ruas Estreitas"



maria reis

mormaço miolo

Com trajetória de mais de dez anos, O Mormaço Severino estreia nas plataformas digitais com Cântico das Ruas Estreitas, produzido pelo cacerense Henrique Maluf

Produzido em poucos meses, mas maturado por mais de dez anos, o primeiro álbum da banda O Mormaço Severino, de Cáceres (MT), está, enfim, no ar. Uma estreia para o público das plataformas digitais de música e uma conquista para a juventude interiorana que se reconhece em suas canções. 

O trabalho pôde ser materializado com o acesso a recursos da Lei Aldir Blanc, através do Edital MT Nascentes da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT). 

'Cânticos das Ruas Estreitas' revela um experimento da música brasileira contemporânea. Longe de uma pretensa inovação sonora ou impecabilidade técnica, o conjunto de canções reflete originalidade do lugar de onde falam seus instrumentos e suas vozes.  

O resultado é resumido pelo músico e pesquisador Henrique Maluf, também cacerense, na palavra 'verdade'. Neste trabalho, o amigo querido da banda assina sua primeira produção musical de álbum. 

"As vezes eu não entendo o que dizem alguns artistas da música que me inspiram, mas sinto muita verdade quando os ouço e os vejo em cena. E eu sinto isso desde a primeira vez que ouvi O Mormaço Severino em Cáceres. É algo muito interior, íntimo e que me conecta a essa verdade que eu não sei o que é, mas que me fascina muito", relata Henrique. 

'Cânticos das Ruas Estreitas' reúne oito músicas do extenso repertório autoral. Elas expressam, de forma poética, vivências no entorno do Rio Paraguai, no Pantanal, nas periferias e ruas estreitas que compõem o cenário da cidade histórica, turística e universitária. 

Na gravação de estúdio, a guitarra de Rauni Vilasboas explora diversos efeitos sonoros. O baixo de Ronaldo Gonçalves se destaca pelo swing, e a interpretação de Janaina Lima, a Jheine, pela potência da voz. Ela não só canta, como sente. Oscilando entre o grave e o agudo com naturalidade, a vocalista imprime toda a intensidade e emoção das canções compostas por Rauni. 

Enquanto a bateria de Luis Guilherme dá força às batidas das canções, a percussão comandada por Wellington Fernandes, o MC Fernandes, adiciona a nostalgia de sons urbanos e daqueles inspirados pela natureza. Com o teclado, Diego Vicente cria a atmosfera sintética que ambienta o som d’O Mormaço Severino, definido por seu "peso aveludado".

Com produção musical de Henrique Maluf, o álbum foi gravado, em Cuiabá, no Wel Ribeiro Estúdio, responsável pela mixagem e masterização. A identidade visual é do artista Jhon Douglas (RO/MT/Portugal).

'Cânticos das Ruas Estreitas' está disponível nas principais plataformas digitais (Spotify, Apple Music, Youtube, Deezer, Tidal.

O Mormaço Severino

O Mormaço Severino é um conceito poético inspirado na cidade de Cáceres, Pantanal de Mato Grosso: mormaço é uma neblina de calor que gera incômodo, sofrimento e, ao mesmo tempo, a inquietude do fazer acontecer; Severino é um brasileiro comum, mas também remete, no nome da banda, a um mormaço muito quente, severo. 

Musicalmente, O Mormaço Severino se aproxima dos gêneros indie, folk, rock e pop alternativo, da música psicodélica com regionalismos em canções experimentais. No vocal feminino de Jheine Lima, as composições de autoria de Rauni Vilasboas expressam dores, angústias, amores, vícios, sentimentos de êxtase do fim de um dia de trabalho, o gosto da rua, a solidão. 

Desvinculada de uma estética roqueira padrão, incorporando instrumentos não usuais para uma formação do gênero, a banda seguiu o caminho mais difícil para artistas de uma cidade e um estado interioranos, defendendo a música autoral e sonoramente independente desde 2009. 

Trajetória

O Mormaço Severino nasceu nos movimentos culturais das periferias de Cáceres, da amizade de Rauni (letras e guitarra) e Ronaldo Gonçalves (baixo). Logo depois, Diego Vicente (teclado), o Keka, somou com o teclado que aprendeu a tocar para integrar a banda. A atual formação está ativa desde 2016, com a entrada de Luis Guilherme (bateria). Wellington Fernandes (o MC Fernandes, na percussão) e a vocalista Jheine Lima chegaram ainda no ano anterior. 

De lá para cá, a banda se apresentou em diversas cidades do estado após vencer o festival IV Mato Rock de Músicas Autorais de Mato Grosso de 2015. Durante a pandemia, marcou presença em festivais virtuais com atrações nacionais e latino-americanas, como o Ixpia O Festival. 

Em 2020, O Mormaço Severino lançou o show audiovisual ‘Ensaio sobre a cidade’ por meio de edital municipal da Lei Aldir Blanc em Cáceres. Em 2021, foi selecionado para o festival Jardim Autoral com a canção ‘Bilhetes Rasgados’, faixa de 'Cânticos das Ruas Estreitas’. O lançamento torna possível que o som da banda possa, enfim, com toda a sua potência, ultrapassar barreiras geográficas. (*da assessoria)

SERVIÇO

"Cântico das Ruas Estreitas - O Mormaço Severino" está disponível nas principais plataformas digitais (Spotify, Apple Music, Deezer, Tidal)
Instagram e Facebook: https://instagram.com/omormacoseverino 
Youtube: https://youtube.com/c/OMorma%C3%A7oSeverino  

 

 


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet