Segunda, 06 de setembro de 2021, 17h58
SELEÇÃO DE FRASES
Pensamentos

Ignácio de Loyola Brandão

"Os livros mudam o destino das pessoas. Substâncias perigosas, servem para acalmar e atiçar; abrir novas possibilidades e nos fechar em universos circunscritos; estimular a ação ou estimular a prudência. O fato é que ninguém passa incólume a uma boa leitura. Entra-se de um jeito e a saída é de outro, mesmo sem que se saiba de antemão como sairemos."

"Escrevo para não enlouquecer. Para me divertir também, e para ter prazer. Tenho um prazer imenso em escrever. Escrevo para me salvar. Mas me salvar do quê? Será que alguém sabe por que escreve, por que faz música? Porque alguma coisa empurra a gente."

"Viver de esperança torna as pessoas passivas. Para transformar a esperança em realidade é preciso usar forças, mobilizar-se."

"Escreve-se para não ser solitário e por amor aos outros; se você não tiver essa solidariedade, é bobagem escrever."

"Um ator tem três vidas. A real, a dos personagens, e a vivida, para representar diante do público e da imprensa o papel de celebridade."

"O meu “problema” talvez seja a compulsão. Escrevo, tenho de escrever, é o que me dá vida. Talvez eu não seja um grande escritor. Mas sou um escritor."

"Nunca sei se a situação será conto ou romance. Sei quando é crônica."

"Sempre me pergunto: será que é preciso inovar sempre, sempre? Não se pode escrever um livro, pintar um quadro, fazer um filme? Simplesmente. Muitas vezes estamos inovando sem saber, fazendo uma coisa que é necessária e vem do fundo. E há tanta inovação falsa, para chocar, chamar a atenção."

"Os livros seriam uma (tênue) possibilidade de não morrermos. Mas podemos desaparecer e voltar, sofrermos um revival. (...) Este ofício é complicado, mas temos de exercê-lo com sinceridade, fogo e lança na mão."

"Os gestos decisivos faltaram em bons momentos de nossa história."

"Um professor em quem alunos confiam é muito mais que um pai."

"Nada pior que a memória do gesto não realizado."

"Fomos nos habituando, de tal modo que passamos a pactuar com a tragédia, aceitando-a como cotidiano. Me espanta essa capacidade de acomodação da mentalidade, sua adaptação ao horror. Acredito que a gente possua um componente de perversidade que nos leva a encarar como normal esse pavor, a desejá-lo, às vezes, desde que não nos toque."

"Sempre gritei: abra vida, abra e me deixe entrar."

"O assunto do escritor é o homem, a sua condição, a sua loucura e irracionalidade."

"Certas situações confortáveis são desconfortáveis, e sendo o mundo literário de momentos de inclusão e exclusão, o jeito é ficar alerta. E isso significa o quê? Trabalhar."

"Escrevo, relato minha indignação, meu medo, meu protesto, porque essa é a minha luta."

"Não quero ser encontrado, encontro quem eu quero."

 

*Frases reproduzidas do site https://www.pensador.com/


tv brasil

loyola

Nascido em Araraquara (SP), em 1936, Ignácio de Loyola Lopes Brandão é contista, romancista, jornalista e membro da Academia Brasileira de Letras. Ganhador de diversos prêmios literários brasileiros, como o Jabuti e o Machado de Assis, entre outros, seus livros já foram traduzidos para o italiano, alemão, coreano, espanhol, húngaro e inglês, entre outras línguas.

 

 

 

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://tyrannusmelancholicus.com.br/