VERSO
Beth Brait Alvim


Pollock* 

Pollock estático e
a enorme tela
ofusca a outra do vídeo
cegueira
equilíbrio
na lasca de unha
rente ao fio transparente.
vermelho suor
rasga geometrias
arquitetadas de amarelo-sangue.
Sangria
Loucura
quase estertor
Pollock emporcalhado
noite e dia
em êxtase.
Prisma humano
sem limite
branco.

 

*Poema reproduzido do site http://www.antoniomiranda.com.br/

beth

Beth Brait Alvim nasceu em São Paulo e tem formação acadêmica em Letras. Tem poemas, contos, artigos e ensaios em inúmeras antologias, revistas e sites nacionais e internacionais. Atua como organizadora de antologias literárias e participa de eventos afins. Acumula também experiências como diretora de teatro e atriz

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://tyrannusmelancholicus.com.br/