VERSO
Mauro Iasi


O Polvo


Ai… um polvo!
Tentáculos na sala de estar.
Nada mais incômodo que
tentáculos pegajosos.
Este pedaço de vida
que voa pela janela
não é aquele onde eu dizia:
“Eu já resolvi isto”?
Jurei ser diferente.
Papai casou com mamãe,
perante a Igreja e a Lei.
Juraram ser felizes:
mentiram!
Nem Deus, nem os juizes
parecem se preocupar.
Eu não…
Reneguei altares,
cuspi nos papéis amarelados
dos livros de registros civil.
Comigo não…
Apaixonei-me
por olhos meigos,
por uma boca pequena
que guardava palavras doces
e beijos serenos.
Dormimos juntos
moramos juntos
juntos vivemos
comemos
saímos
amamos.
O dia
o café
o almoço
a escova de dentes
os hábitos
o hálito
os sábados
os mitos
os fatos
os filhos.
O ato falho
as falas
as facas
as falas feito facas
as feridas
Meus filhos me olham
como a dizer:
“Papai casou-se com mamãe.
nada jurou a ninguém,
nem a Deus, nem a Lei.
Não registrou seu casamento burguês
por isso pensa que sua infelicidade
é diferente”.
Tem um polvo na sala de estar!
Nada mais grudento que um polvo.
Seus tentáculos enormes e infinitos
crescem a cada dia.
Logo eu que detesto polvos.
Como, por diabos, apareceu este por aqui?
Como teria crescido tanto?
Isto eu penso
enquanto, calmamente,
alimento o polvo
como faço todos os dias.

*Poema reproduzido de http://hrsoares.blogspot.com/, publicado no livro "MetAmorFases"

edilson rodrigues

iasi

Mauro Luís Iasi é natural de São Paulo (SP). Além de poeta, é pesquisador, historiador, sociólogo, político e professor universitário brasileiro, filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Entre suas principais obras publicadas estão "O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência" (Boitempo, 2002), "Ensaios sobre consciência e emancipação" (Expressão Popular, 2007), "MetAmorFases" (Expressão Popular, 2008) e "Política, Estado e Ideologia" (Instituto Caio Prado Jr., 2017)


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://tyrannusmelancholicus.com.br/