ARTIGO II

Breve notícia sobre um centenário II*



aml miolo

É assustador o quanto o dinheiro público, que ao fim e ao cabo é dinheiro do povo, deixa de ser destinado às obras educacionais e às atividades culturais. A queda nos índices da destinação orçamentária para a ciência, a educação e a cultura é significativa, evidenciando-se notório descaso

O primeiro número da Revista do CML já se propunha a ter como missão, conforme a enfática afirmação do primeiro editorial, de contribuir para que Mato Grosso não continuasse a ser apenas uma “expressão geográfica”. E, com efeito, para romper o círculo constrito que circunscreveu Mato Grosso por séculos, numa época em que os cursos superiores eram neste distante Oeste apenas um sonho longínquo, que estas duas instituições pioneiras foram o ambiente propicio e único para o debate das questões culturais, históricas, geográficas, educacionais e econômicas mais relevantes de Mato Grosso. E desta forma, sobre a tarefa cumprida pela AML e o IHGMT, podemos repetir o que um autor, muitas décadas depois escreveria. O historiador John Lukacs nos lembra, em ‘O fim de uma era’, que “a compreensão humana é uma questão de qualidade, não de quantidade” e é neste sentido que os textos publicados por estas instituições foram significativos para uma reflexão de nossa realidade circundante e uma compreensão mais apurada sobre a História de Mato Grosso. 

Seguramente uma das realizações mais significativas na história centenária da Academia, além da publicação com regularidade de sua Revista – cujo primeiro número é de janeiro de 1922 – trata-se da publicação, entre 2006 e 2009, dos dez volumes que compõem a Coleção Obras Raras de Mato Grosso. Essa Coleção reeditou algumas das obras mais representativas da literatura – entre estas o primeiro romance escrito por um mato-grossense (1917) - e da historiografia mato-grossense, de há muito esgotadas e inacessíveis até mesmo aos especialistas. Todavia, sem qualquer temor de exagero, pode-se afirmar que a Coleção Obras Raras de Mato Grosso representa talvez a mais importante, ampla e significativa iniciativa na área editorial já empreendida no Estado de Mato Grosso, seja pelo governo ou por qualquer outra instituição e mesmo pela área privada. Editada em parte com o apoio do governo estadual, a AML fez a doação de oitenta coleções, ao todo 560 exemplares, a oitenta escolas, sendo quarenta da rede pública estadual e quarenta da rede municipal da Capital e de Várzea Grande. A doação massiva desses livros ocorreu pela primeira vez na história da AML e representou uma contribuição marcante para o conhecimento e a divulgação da cultura mato-grossense.

Somos hoje testemunhas, certamente mais que em tempos pretéritos, de crucial contradição. É que, ao mesmo tempo em que cresce no conjunto da sociedade o entendimento de que a Cultura e a Educação são elementos fundamentais para a manutenção e o fortalecimento daqueles valores humanos que por séculos tem sido a marca registrada de nossa civilização, constata-se o inaceitável paradoxo de que a Cultura, a Ciência e a Educação venham sendo tão poucos prestigiados pelos poderes públicos. É assustador o quanto o dinheiro público, que ao fim e ao cabo é dinheiro do povo, deixa de ser destinado às obras educacionais e às atividades culturais. A queda nos índices da destinação orçamentária para a ciência, a educação e a cultura é significativa, evidenciando-se notório descaso. Os investimentos nessa área deixaram ter a prioridade que se requer. É triste ver como a cultura e a educação passaram ao longo dos últimos anos a serem vistos como gêneros de segunda categoria. Em Mato Grosso não tem sido diferente do restante do Brasil. Faltam recursos para a ação cultural e educacional e, o pouco existente, é mal direcionado. Falta uma efetiva política de edição e de divulgação para o livro e para a criação e a manutenção de bibliotecas escolares e públicas em todos os municípios.

Não obstante, a Academia Mato-Grossense de Letras chega ao seu primeiro centenário arrostando todos os obstáculos e dificuldades, e mesmo com a absoluta falta de apoio dos poderes públicos, vem sobrevivendo. E, apesar de tudo, sobreviverá. Quando pouco se tem, esse pouco se faz muito. E enquanto permanecer fiel aos ideais fundadores estará cumprindo sua finalidade e altaneira haverá de alcançar seu segundo centenário.

 

*Segundo texto do autor, sobre o centenário da Academia Mato-grossense de Letras. O primeiro texto, publicado há poucos dias, pode ser conferido em...

http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/cronicas/13506/breve-nota-cia-sobre-um-centena-rio

 

**Sebastião Carlos Gomes de Carvalho é advogado e professor. Entre outros livros, publicou: "Viagem ao Extremo Oeste – Desbravadores", "Aventureiros e Cientistas nos caminhos de Mato Grosso", e "A Natureza pede Socorro". Ocupa a Cadeira 40 da Academia Mato-grossense de Letras e foi presidente da instituição por três mandatos


Voltar  

Confira também nesta seção:
22.11.21 18h36 » Entrevistas sobre uma obra prima
22.11.21 18h36 » Filósofo francês revolucionário
19.11.21 16h17 » Historinhas em tempo de lua
15.11.21 20h00 » Uma outra*
15.11.21 20h00 » Aliança*
08.11.21 19h00 » Presente de grego
08.11.21 19h00 » Seleção de frases*
01.11.21 17h00 » Baleia*
01.11.21 17h00 » A faca e a motocicleta*
28.10.21 16h32 » Cego dos “óio”
25.10.21 14h43 » Ícone da Geração Beat
25.10.21 14h43 » O afogado*
18.10.21 22h28 » O inventor do martelo-de-orelha*
18.10.21 22h28 » A orelha pouco explica*
16.10.21 11h57 » O que foi
16.10.21 11h33 » Breve notícia sobre um centenário II*
11.10.21 19h00 » Relações siamesas e/ou complementares?*
11.10.21 19h00 » Na floresta do alheamento*
07.10.21 21h47 » Breve notícia sobre um centenário*
04.10.21 18h16 » Um caso de burro*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet