CRÔNICA

A mulher automática*



(De São Paulo) — Qual é o seu cargo?

— Esteno-dáctilo-serpente-contralto-secretária...

— Isso é novidade. Eu ouvi no rádio naquele debate sobre a mulher moderna: esteno-dáctilo-serpente-secretária — A mulher atual!

— Ainda tem mais! Ponha glamour!

— Que é isso?

— Glamour é assim como eu sou. De concurso!

O homem pálido que esperava há duas horas examinou com os olhos a morena iodada no coral solto do vestido, sandálias de purpurina, cabelo lustroso, brincos, balangandãs e pulseiras, um beiço em ciclamen por Salvador Dali.

— O senhor sabe? Comprei ontem um leque que cheira. É formidável! Da América!

A voz grossa trauteou "La vie en rose".

— Dei o fora no meu darling porque ele não me levou à boîte para ver o Charles Trenet. Fui com Mister Ubirajara.

— Quem é Mister Ubirajara?

— Acho que é canadense. Um gordo do anúncio. Tem gaita e possui um guarda-roupa perfeito. Dois ternos por dia! Me levou a Santo Amaro num 1950 formidável. Tomamos muitos drinks.

Na ante-sala de móveis mecânicos o telefone ressou.

— Aposto que é o turco! Deixa tocar... Ele fala "negócio". Quer saber do "negócio" dele. Como se eu estivesse aqui para dar informações!

O telefone insiste.

— O senhor saber? Um marinheiro contrabandista foi ao meu apartamento levar uns cortes de tropical e uns relógios suíços. Não falava nenhuma língua. Disse por gestos que era marinheiro, da Suíça. Enquanto ele se distraiu bati um relógio-pulseira e pus ele pra fora. Começou gesticulando que faltava alguma coisa. Banquei a boba. O homem falou baiano: — Deixe de besteira moça! Não gosto disso não! Me dá o relógio!

O telefone continuava. Ela arrancou num gesto o fone e berrou:

— Não me encha! Não é aqui!

Desligou violentamente. A voz do outro lado ficou dizendo humildemente:

— Esbéra, mucinha!

— Que esbéra, nada! Se ele ligar outra vez dou o telefone do Cemitério do Araçá. Vou fazer ele falar com defunto!

Houve um silêncio rápido. O homem pálido perguntou:

— A senhora é contralto?

— Sou. O que a mulher tem de melhor é a voz! — gritou desaparecendo numa porta volante. — A voz e a saliva!

 

*Crônica de Oswald de Andrade publicada em "Obras Completas", Ed. Civilização Brasileira - Rio de Janeiro, 1971, e em “As cem melhores crônicas brasileiras”, Ed. Objetiva – Rio de Janeiro, 2007. Já publicada no tyrannus, em 2013.

oswald miolo

José Oswald de Sousa de Andrade, ou simplesmente Oswald de Andrade (1890-1954), foi escritor e dramaturgo brasileiro. Uma das principais lideranças da literatura modernista no Brasil. Nasceu e morreu em São Paulo. Irreverente, polêmico, irônico e combativo são palavras que bem caracterizam o grande artista. Foi casado com as também artistas Pagu e Tarsila do Amaral. Seu legado apresenta, de forma generalizada, um nacionalismo em busca das origens, mas, jamais deixando de lado a visão crítica da realidade brasileira


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.01.22 18h03 » Faz escuro, mas eu canto
17.01.22 20h11 » Testemunha tranquila*
17.01.22 20h11 » Com Pedro Casaldáliga
14.01.22 00h10 » Escolhendo a profissão*
10.01.22 20h00 » Nunca mais
10.01.22 20h00 » O avesso da pele*
10.01.22 20h00 » O peso da mão!
28.12.21 20h20 » Frases e versos*
28.12.21 20h19 » Crônica de ano novo*
21.12.21 18h19 » Mente ou Pedra
21.12.21 18h10 » Supercerrado*
16.12.21 19h00 » A folia sempre alcança
13.12.21 17h34 » Quando mordi minha língua*
13.12.21 17h34 » O castelo de Kafka*
06.12.21 19h00 » "Dordóio"
06.12.21 19h00 » A mulher automática*
29.11.21 20h00 » Contos dos bosques de Curitiba*
29.11.21 20h00 » De um livro a outro: corte e costura
22.11.21 18h36 » Entrevistas sobre uma obra prima
22.11.21 18h36 » Filósofo francês revolucionário

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet