POESIA

Arthur Rimbaud

Eternidade


De novo me invade.
Quem? – A Eternidade.
É o mar que se vai
Como o sol que cai.


Alma sentinela,
Ensina-me o jogo
Da noite que gela
E do dia em fogo.


Das lides humanas,
Das palmas e vaias,
Já te desenganas
E no ar te espraias.


De outra nenhuma,
Brasas de cetim,
O Dever se esfuma
Sem dizer: enfim.


Lá não há esperança
E não há futuro.
Ciência e paciência,
Suplício seguro.


De novo me invade.
Quem? – A Eternidade.
É o mar que se vai
Com o sol que cai.


*Arthur Rimbaud, poeta francês (1854-1891)

Voltar  

Confira também nesta seção:
20.09.21 16h08 » Marina Taborelli e Silva
13.09.21 16h54 » Lourembergue Alves
06.09.21 17h58 » Alberto Pucheu
30.08.21 19h00 » Isabela Vannucchi
16.08.21 21h00 » Ana Guillot
09.08.21 17h00 » José Danilo Rangel
02.08.21 17h40 » Ademar Adams
26.07.21 19h00 » Beth Brait Alvim
19.07.21 17h22 » Jennifer Trajano
12.07.21 17h00 » Carminha Ferreira
05.07.21 19h08 » María Ángeles Pérez López
28.06.21 18h07 » António Poppe
21.06.21 18h17 » Ana Miranda
14.06.21 18h50 » Nicolas Santos
07.06.21 18h58 » José Pinto
31.05.21 18h58 » Kátia Borges
24.05.21 19h17 » Afonso Henriques Neto
17.05.21 17h05 » Ernst Herbeck
10.05.21 19h30 » Miguel Jubé
03.05.21 19h00 » Poesias sobre "mãe"

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet