VERSO

Ângela Coradini

enredos confabulam
madrugadas inesperadas
fantasmatas doces
criadas no sigilo do escuro


um canto selvagem me veste
e a pele rasgada te exalta
a sede do momento
em frenesi contra a luz
o volume da respiração
acelerada
quase pronta para morrer


essas narrativas em neon
que a razão quer atenuar
e o acaso carnavalesco,
festivamente,
teima pôr em movimento

 

coradini

Ângela Coradini vive em Cuiabá-MT, é poeta e editora na revista eletrônica Ruído Manifesto (www.ruidomanifesto.org). Fez doutorado em Cultura Contemporâne e atua como roteirista e diretora de curta-metragens. Tem pesquisa sobre filmes e séries com temáticas de futuridade. É autora dos livros "Imagens-espectro de futuridades no Amplo Presente" (EdUFMT) e do livro de poesias "Já não podem ser amanhã..." (Carlini e Caniato)


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.01.21 16h57 » Yin Lichuan
11.01.21 21h00 » Djalma Passos
04.01.21 22h00 » Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida
28.12.20 21h37 » Três poemas evocando a passagem de ano
28.12.20 21h37 » Madson Costa
22.12.20 19h51 » Thiago da Costa Pereira
15.12.20 21h00 » Luiz Alberto Schwab de Mello
08.12.20 18h00 » Bruno Brum
01.12.20 19h18 » Cezário Pereira da Costa
24.11.20 19h00 » Meire Pedroso
17.11.20 17h21 » Marin Sorescu
10.11.20 20h00 » Hagar Peeters
03.11.20 16h30 » Gary Snyder
27.10.20 19h00 » Pádua Fernandes
20.10.20 19h00 » Catarina Lins
13.10.20 19h00 » Akiko Yosano
06.10.20 19h00 » Graça Pires
29.09.20 19h00 » Warsan Shire
22.09.20 21h00 » Wladimir Cazé
15.09.20 21h00 » Ernesto Manuel de Melo e Castro

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet