VERSO

Deborah Dornellas

dessentimento*

 

o que deixo de sentir
é pássaro sem memória
não se sabe ave
não percebe o desejo da flor não pia
erra o ritmo
desafina
perdeu rapina
o que deixo de sentir
é um desconcerto de penas de cores esmaecidas
o que deixo de sentir tem asas mas já não voa

 

*Reproduzido de http://www.mallarmargens.com/

deborah dornellas

Ela nasceu no Rio, mas vive em Brasília. Sua formação é vária e acumula experiências como jornalista, tradutora, pesquisadora e artista plástica, além de ter uma prosa premiada e escrever poesia com desenvoltura

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
25.01.21 18h46 » Hilda Machado
18.01.21 16h57 » Yin Lichuan
11.01.21 21h00 » Djalma Passos
04.01.21 22h00 » Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida
28.12.20 21h37 » Três poemas evocando a passagem de ano
28.12.20 21h37 » Madson Costa
22.12.20 19h51 » Thiago da Costa Pereira
15.12.20 21h00 » Luiz Alberto Schwab de Mello
08.12.20 18h00 » Bruno Brum
01.12.20 19h18 » Cezário Pereira da Costa
24.11.20 19h00 » Meire Pedroso
17.11.20 17h21 » Marin Sorescu
10.11.20 20h00 » Hagar Peeters
03.11.20 16h30 » Gary Snyder
27.10.20 19h00 » Pádua Fernandes
20.10.20 19h00 » Catarina Lins
13.10.20 19h00 » Akiko Yosano
06.10.20 19h00 » Graça Pires
29.09.20 19h00 » Warsan Shire
22.09.20 21h00 » Wladimir Cazé

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet