POESIA

José Eduardo Martins de Barros Melo

O vaso*

O poeta escreve pra dentro
Do vaso que não tem flora
Nem fora que não tem flores
Como esta estrofe
Como este vaso que não se quebra
Que não sequela palavra
Cacos da cola flora de chão
Cerâmica verde
O poeta escreve por dentro
Argamando a massa
Futuro vaso que há
Futuro vaso de ar
Que se espalha espelho
De outro vaso nobre.

 

*Reproduzido de http://versudiveersus.blogspot.com

José Eduardo Martins de Barros Melo, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida
25.03.20 19h00 » Gilberto Nable
19.03.20 00h10 » Horacio Castillo
12.03.20 18h10 » Cinthia Kriemler
05.03.20 18h00 » Eunice Arruda
27.02.20 17h00 » Ashraf Fayadh

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet