Meu bambuzinho



Frequento, por puro prazer, uma chácara de floricultura, ou melhor, um viveiro de plantas. Não é lojinha ou boutique da moda. É uma imensidão de área plantada, sempre com novidades. Plantas nativas, ornamentais, enormes, nanicas, de cores as mais diversificadas, desde as cores agressivas na sua coloração até as que parecem desbotadas.

Elas transmitem vida, alegria e deslumbramento. Terra preta, adubo, pedrinhas ornamentais e uma gente apaixonada pelas belezas da natureza. Não sou consumista. Não frequento lojas, shoppings, mercados e restaurantes, por absoluta falta de necessidade.

Agora, quando vou resolver um problema para o meu jardim entro no pior consumismo, que é o irresponsável. Há poucos dias fui comprar um vaso. O antigo de cimento tinha se quebrado, pois não suportou o tsumani que se abateu sobre Cuiabá anunciando o verão.

Uma das proprietárias do viveiro, assim que ouviu a história do tsumani foi às gargalhadas. Ah! Se todos os dias tivesse um vento forte! Os vasos antigos eram feitos de cimento, e ao menor tombo se espatifavam. Os novos não. São bem mais caros, mas bem mais resistentes, principalmente aos ventos.

No momento do pagamento do vaso, da terra preta para completar o preenchimento, do adubo e das tais pedrinhas, notei em uma das enormes bancadas de flores, uma caixinha de vidro com um pequeno conjunto de bambuzinhos.

Foi amor a primeira vista! Trouxe o bambuzinho, com toda orientação necessária para a sua manutenção. Coloquei a caixinha com meus bambuzinhos no centro da mesa redonda que acabei de comprar para o puxadinho. Daí para frente foi só namoro. O conjunto de bambu até já cresceu.

Moro só, e na passagem do ano, espontaneamente, apareceu uma querida voluntária para dar um ambiente alegre à minha casa. A colaboradora da boa vontade trouxe-me o melhor dos presentes: muitas flores - e fez a decoração. A mesa nova onde estava meu bambuzinho ficou com uma superdecoração de flores. E ele foi despejado de seu local.

Após uma semana da decoração, de saída para o consultório e já na porta do elevador, minha ajudante caseira pergunta-me até quando o bambuzinho iria permanecer dentro do cinzeiro.
Corro para vê-lo. Ainda o encontrei com vida. Estava sem água, único alimento do bambu. A caixa de vidro, que era a sua incubadora estava cheia de flores. As plantas da caixa do bambu estavam em morte cerebral.

Depois de voltar ao seu local de origem, parece que conseguimos salvar o bambuzinho.
Seu estado de saúde inspira cuidados. Confio na sabedoria chinesa que diz que o bambu enverga, mas não quebra. Ajudar, às vezes, nas melhores das intenções, pode prejudicar.

*Gabriel Novis Neves, Médico, fundador e 1º Reitor da UFMT



Voltar  
1 Comentrio(s).
O humor leve, alegre e inteligente de Gabriel já ao meu tempo de criança era ressaltado em minha casa. Passaram-se os anos, muitos deles, e o querido Dr. Gabriel continua sendo uma inspiração a cada geração sobre o que significa manter o viço da juventude. Que assim continue por tantas mais a alegrar nossas vidas com seu sorriso e sua presença de espírito.
enviada por: Sady    Data: 17/11/2012 14:02:44

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet