VERSO
Catarina Lins


Um bom ano para o milho*

 

caso eu fosse a esposa
de um mafioso, agora,
acariciaria uma taça de vinho
exceto
se após as aulas de meditação avançada
voltássemos para casa e abríssemos pacotinhos
de chips
de milho
<< Sequoia >>

porém: nada daquilo importa.
naquele momento,
o importante seria apenas
“tomar as decisões corretas”
(mesmo se elas nunca parecessem
certas, na hora)

certo:
você imagina
e diz que este é um acordo
sobre o qual devemos
meditar

certo: a hora
em que os convidados chegam
é sempre muito variável –
jogamos as almofadas sobre o tapete,
pedimos mais vinho, salada,
uma bandeja para por tudo em cima e ainda uma banda
para falar das coisas que não entendemos por completo ou fingimos
não entender

(à noite, antes de dormir,
você parece alguém de quem não sei o nome
arrumando os copos e outras coisas frágeis em cima da pia
de modo que tudo se equilibra embora pareça sempre prestes
a cair)

 

*Reproduzido do site https://escamandro.wordpress.com/

eduardo moura

catarina

Catarina Lins é uma poeta nascida em Florianópolis (SC). Já lançou os livros "Músculo" (7Letras, 2015), "Parvo orifício" (Editora Garupa, 2016), "O teatro do mundo" (7Letras, 2017) e "Na capital sul-americana do porco light" (7Letras, 2018). Em 2018, foi finalista do Prêmio Jabuti na categoria Poesia com o livro "O teatro do mundo". É formada em "Letras - Produção textual" pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e concluiu mestrado na mesma instituição. Atualmente, é estudante de doutorado na Universidade de Princeton

 

 

 

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: http://tyrannusmelancholicus.com.br/