LETRAS DELAS

Por uma clave de sol!*



Acordo às duas da madrugada e o sono vai embora. Levanto e termino de ler um livro da área de educação tecnológica e imponho-me, a seguir, a leitura de “Carta ao Sol”, de Susana Fuentes, que me chegou ontem mesmo (22/12). A noite foi se dissipando e, mesmo estando um pouco nublado o dia amanheceu com o sol ainda escondido, ao encontro do término da leitura.

Cuiabá tem hoje um dia fresco. Há certos ventos que dissipam o calor nas primeiras horas da manhã. Os pássaros cantarolam no jardim e do livro de Fuentes ouço sons, ruídos e a forte presença de instrumentos musicais. 


                                                                                                                                                                                                                                        A percussão quebra na areia o silêncio das nuvens. O sopro do 
                                                                                                                                                                                                                                      vento nas nuvens convoca o agudo dos metais. (...) Sacudiu o
                                                                                                                                                                                                                                            copo e a terra escorregava rasteira no fundo, rodava como                                                                                                                                                                                                                                                    chocalho na parede do copo, Eduarda fantasiou que aprisionava 
                                                                                                                                                                                                                                                                         um mordente. (FUENTES, 2019, p. 10).

Dentre os 36 contos do livro, muitos trazem referências à dança, ao canto, à música, de maneira geral. Em dez deles observo a explicitação de instrumentos de vários naipes. “Não tenho gatos. Tinha um, quando criança, ele me ouvia tocar acordeão”. (idem, p. 25). Lembro-me do adeus do eu-lírico a Tereza, em poema de Manuel Bandeira, que se refere à orquestra ao final. “A orquestra no pedacinho colorido da noite, às águas basta se ouvir” (idem, p. 13).

De “Luzia”, romance finalista do Prêmio São Paulo de Literatura em 2012, extraio um conjunto de intertextualidades que se fazem presentes no conto intitulado “Sol”. Lá, a divisão do texto se dá em seis partes, além de uma introdução e um capítulo derradeiro.

Parte I – A volta de Maraberto; Parte II – Nas ruas de Esperanza; Parte III – Memórias nas nuvens; Parte IV – No espelho; Parte V – Aquela tarde de chuva; Parte VI – Retratos. A narrativa se abre com “De caixas e gavetas” e fecha com “Um assunto importante”. Aqui,

                                                                                                                                                                                                                Sol apreciava as alteneras e maranas, estava refém das marabertanas, desde
                                                                                                                                                                                                                    que voltou de lá. (...) Altaneras eram esperanças no timbre do tambor, os
                                                                                                                                                                                                                  metais derramados, flautas e clarinetas melífluas cortadas pelo ataque dos 
                                                                                                                                                                                                                                                          tímpanos, surdos e caixas claras. (idem, p. 57).

A citação acima traz o substantivo marabertanas e o esperanças, que podem remeter às partes I e II de “Luzia”. Nuvens e chuva se fazem representar ao longo dos textos, em inúmeras situações, como por exemplo, “No copo de terra, chuvisco leve, som de pau de chuva” (p. 11); também em “Súbito, a bandeira ao vento. Era uma vendedora em sua caminhada na areia, entre os panos coloridos levava cangas, saídas de praia, e aquela bandeira...” (p. 61).

Susana é atriz, com experiência em dramaturgia. O livro tem orelha escrita por Claudia Lage que chama a atenção para “a habilidade de Fuentes nas diferentes construções e texturas narrativas, como também uma atmosfera sensível, talvez um desejo de capturar com os sentidos o que for possível da concretude da vida”. É o que se percebe com a amplitude dos cinco sentidos que as narrativas trazem. Destaca-se a força da massa sonora que penetra a atividade cerebral do leitor. “E tem trompete e trombone, até um saxofone, a caixa-clara, o tambor”. (idem, p. 64).

É de se notar o movimento para dentro que o registro provoca, muito bem observado em prefácio que traz a assinatura de um expoente das letras em território nacional.

                                                                                                                                                                                                                       Susana Fuentes é uma criadora que imerge na linguagem e no fervor
                                                                                                                                                                                                             narrativo com igual equilíbrio. Ao conjugar dois extremos que se necessitam, 
                                                                                                                                                                                                            ela se submete às exigências e às peculiaridades da arte de narrar, enquanto,
                                                                                                                                                                                                                   por sua condição de atriz, adiciona à criação gestos, vozes, movimentos
                                                                                                                                                                                                                 corpóreos, sons, todos provindos de matéria teatral. (PINÕN, 2019, p. 5).

A imersão a que se refere Nélida Pinõn trata desses processos de interiorização, na esteira das clariceanas de primeira ordem. Leio em crônica de Lispector, escrita em 20 de setembro de 1969, que

                                                                                                                                                                                                            Estou à procura de um livro para ler. É um livro todo especial. Eu o imagino 
                                                                                                                                                                                                         como a um rosto sem traços. Não lhe sei o nome nem o autor. Quem sabe. Às
                                                                                                                                                                                                           vezes penso que estou à procura de um livro que eu mesma escreveria. Não
                                                                                                                                                                                                              sei. Mas faço tantas fantasias a respeito desse livro desconhecido e já tão
                                                                                                                                                                                                                                             profundamente amado. (LISPECTOR, 2018, p. 243).

Reflexões sobre a escrita também se fazem presentes na obra. E dialogam com seu universo musical de onde brota uma ambientação alegórica, lírica. Pinõn observa ainda que “a estratégia narrativa da autora, de refinada inspiração, realça aquele repertório resguardado na penumbra humana, à vigília do tempo, a fim da linguagem revelar o que habita o silêncio ao lhe faltar música”. (PINÕN, 2019, p. 6).

Depois de “Luzia” e “Carta ao Sol”, falta-me agora a leitura de sua “Escola de gigantes”, mas imagino que já a possa incluir entre eles. Susana Fuentes escreve como gente grande, bem grande. Como os gigantes, dentre os quais aqueles que talvez não tenham noção de seu tamanho. Sua escrita me vem como música. “Mas o gesto  primordial é o de bater à porta. Ou aquele de tocar, de mãos fechadas, os semitons nos dentes negros do piano”. (FUENTES, 2019, p. 75).

REFERÊNCIAS
FUENTES, Susana. Carta ao Sol. Rio de Janeiro: Funarte, 2019.
LISPECTOR, Clarice. O LIVRO DESCONHECIDO. In: Todas as crônicas. Rio de Janeiro: Rocco, 2018.
PINÕN, Nélida. Susana, a palavra que reverbera. In: FUENTES, Susana. Carta ao Sol. Rio de Janeiro: Funarte, 2019.

*Texto de Luiz Renato Souza Pinto, poeta, escritor, ator e professor. Colabora mensalmente com o tyrannus, através da coluna LETRAS DELAS, onde envereda por literaturas escritas por mulheres

susana

Susana Fuentes é escritora, atriz e dramaturga e também tem experiência como tradutora. Seu romance "Luzia" (2011), finalista do Prêmio São Paulo de Literatura, já foi pauta da coluna Letras Delas. Susana é doutora em literatura comparada (UERJ) e, com seus contos, já participou de diferentes antologias e teve seus textos traduzidos para o inglês e o espanhol

 


Voltar  
2 Comentrio(s).
Olá Antônio Torres, um grande prazer receber e publicar o seu comentário aqui no site
enviada por: lorenzo    Data: 10/02/2021 17:05:38
Beleza de leitura de "Carta ao Sol", da querida Susana Fuentes. Sucesso para ela.
enviada por: Antônio Torres    Data: 09/02/2021 15:03:14

Confira também nesta seção:
08.03.21 17h24 » Seleta de frases e pensamentos*
08.03.21 17h24 » Ave, Maria (José)*
01.03.21 16h27 » O preço do silêncio
01.03.21 16h27 » O estranho vírus de Eduardo Mahon
01.03.21 16h27 » Gatinha exibicionista
22.02.21 14h00 » A filosofia do Mendes*
22.02.21 14h00 » Seleção de frases*
15.02.21 16h47 » Um bilhete para Leonard Cohen*
15.02.21 16h47 » Ulisses*
12.02.21 23h45 » Silêncio na pista
08.02.21 16h00 » Seleção de frases*
08.02.21 16h00 » Por uma clave de sol!*
01.02.21 18h00 » Serotonina (trecho de romance)
01.02.21 18h00 » Tio Galileu*
25.01.21 18h46 » A máscara do meu rosto*
25.01.21 18h46 » Cair e levantar
20.01.21 18h07 » Dobra do tempo
18.01.21 16h57 » Morte em Pleno Verão e Lá é Sempre Verão*
18.01.21 16h57 » Frases de "A Divina Comédia"*
11.01.21 21h00 » Mas que Nojo é esse!

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet