CRÔNICA

Aguenta o rojão*



troppo

Pra que essas explosões ensurdecedoras?

Foguetório. Estrondam por toda parte os rojões para desespero de cães, gatos e um bocado de gente que têm verdadeiro pavor desses pipocos com sei lá quanto decibéis... Isso lá é jeito demonstrar a alegria? De comemorar? E na festa da virada eles vão ribombar em nossos ouvidos. É preciso comemorar em alto e bom som, doa a quem doer? Não se poderia ater às formas lindas que fazem brilhar mais o céu? Época dourada para quem comercializa os fogos de artifício. Perigosa, especialmente, para quem gosta de tomar umas e outras e riscar o fósforo.

Desde as festas juninas eles andaram tímidos, para agora retornar com força total. Quando sobem aos céus e lá em cima se multiplicam em pontos de luzes não tem como não ficar olhando, admirando. Um espetáculo bonito de se ver. Mas... precisava ser tão barulhento, tão agressivo à nossa audição.

Na escala particular de tolerância ao foguetório, passamos pelos inofensivos estalos de salão e chegamos até, no máximo, os traques. Mas não aqueles traques que são soltados por causa dos gases e da flatulência, que provocam revoluções internas em nossos organismos e afloram, geralmente, acompanhados pelo desagradável cheiro. São aqueles outros traques... vocês sabem. Peidar na festa é feio.

Mas rojão, gente boa. Rojão, convenhamos, é coisa que deveria sair de moda. Poderia muito bem começar a ser proibido e, com o passar dos anos, quem sabe a gente se acostumaria a não ouvi-los e então, finalmente, cairiam no esquecimento.

Não sei onde nem quando surgiu essa história de se comemorar com sons estrondosos. Será porque o mundo vive em guerra? É reveillon, é noite dos santos Pedro, João e Antônio. É gol do seu time de futebol... haja rojão. É carregamento de droga que chega na parada, dá-lhe rojão. É a polícia que fecha o cerco lá embaixo, dá-lhe rojão.

Sei que a pólvora foi inventada na China, mas a impressão que tenho é que os orientais são apreciadores do silêncio, mais do que nós, ocidentais. E me me vem à cabeça agorinha mesmo um texto shakespiriano: muito barulho por nada.

Já existe barulho demais no mundo. E intragáveis sons que vieram com a modernidade, como alarmes de carros e casas. A eles se somam os criminosos urbanos que andam com seus veículos barulhentos e caixas de som potentes, espalhando aberrações sonoras como músicas de gosto duvidoso em altíssimos volumes, ou motocicletas sem escapamento. A multidão de babacas que segue firme e forte... Vai achar ruim pra ver.

Chega de barulho. Chega de conversa. Quero mais é comemorar. Cadê o rojão?

 

*Crônica escrita pelos criadores do tyrannus (lorenzo e fátima) e publicada originalmente em 29 de dezembro de 2012

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
20.01.21 18h07 » Dobra do tempo
18.01.21 16h57 » Morte em Pleno Verão e Lá é Sempre Verão*
18.01.21 16h57 » Frases de "A Divina Comédia"*
11.01.21 21h00 » Mas que Nojo é esse!
11.01.21 21h00 » "Quarto de Despejo..." (trecho)
04.01.21 22h00 » O primeiro livro de cada uma das minhas vidas*
04.01.21 22h00 » Para sempre em cima*
28.12.20 21h36 » O marido silencioso*
28.12.20 21h33 » Aguenta o rojão*
22.12.20 19h51 » No interior da tarde*
22.12.20 19h51 » Frases e pensamentos*
22.12.20 16h43 » No cerrado, correndo trecho
15.12.20 21h00 » "Uma presença incômoda"
15.12.20 21h00 » A busca do presente*
08.12.20 18h00 » A um jovem*
08.12.20 18h00 » A ovelha negra*
01.12.20 19h00 » Urubus*
01.12.20 19h00 » O corpo de Luzia e o corpo do texto*
27.11.20 19h00 » O voto e o veto
24.11.20 19h00 » Conversação e peixada*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet