ROMANCE

Os Demônios (trechos)*



"Kirílov estuda e está escrevendo um curiosíssimo artigo sobre as causas dos casos de suicídio que se tornaram frequentes na Rússia e em geral sobre as causas que aceleram ou inibem a difusão do suicídio na sociedade. Chegou a resultados surpreendentes.

- A seu ver, o que impede as pessoas de cometerem suicídio?

- A dor.

- A dor? Será que isso é tão importante....Neste caso?

- De primeiríssima importância. Há duas espécies de suicida: aqueles que se matam ou por uma grande tristeza ou de raiva, ou por loucura, ou seja lá por que for...Esses se matam de repente. Esses pensam pouco na dor, se matam de repente. E aqueles movidos pela razão - estes pensam muito.

- E porventura não há meios de morrer sem dor?

- Imagine, parou diante de mim, imagine uma pedra do tamanho de uma casa grande; ela está suspensa e você debaixo dela; se lhe cair em cima, na cabeça, sentirá dor?

- Uma pedra do tamanho de uma casa? É claro que dá medo.

- Não estou falando de medo; sentirá dor?

- É claro que não haverá dor.

- Mas se você realmente ficar debaixo, e enquanto ela estiver suspensa, vai ter muito medo de sentir dor. Cada um não sentirá dor e cada um sentirá muito medo de sentir dor.

- Bem, e a segunda causa, a grande?

- É o outro mundo.

- Ou seja, o castigo?

- Isso é diferente. O outro mundo, só o outro mundo.

- O homem teme a morte porque ama a vida, eis o meu entendimento - observei -, e assim a natureza ordenou.

- Isso é vil e aí está todo o engano! - respondeu Kirílov. A vida é dor, a vida é medo, e o homem é um infeliz. Hoje tudo é dor e medo. Hoje o homem ama a vida porque ama a dor e o medo. Haverá um novo homem, feliz e altivo, aquele para quem for indiferente viver ou não viver será o novo homem. Quem vencer a dor e o medo, esse mesmo será Deus. E o outro Deus não existirá.

- Então a seu ver o outro Deus existe mesmo?

- Não existe, mas ele existe. Está compreendendo o que estou querendo dizer? Na pedra não existe dor, mas no medo da pedra existe dor. Deus é a dor do medo da morte. Quem vencer a dor e o medo se tornará Deus. Então haverá uma nova vida, então haverá um novo homem, tudo novo... Então a história será dividida em duas partes: do gorila à destruição de Deus e da destruição de Deus à mudança física da terra e do homem. O mundo mudará, e as coisas mudarão, e mudarão os pensamentos e todos os sentimentos.

 

- “O tempo não é um objeto, mas uma ideia”. Vai se extinguir na mente.

- O homem é infeliz porque não sabe que é feliz; só por isso. Quem o souber no mesmo instante se tornará feliz. Aquela nora vai morrer, mas a menininha vai ficar. Tudo é bom.

- E se alguém morre de fome, se alguém ofende e desonra uma menina, isso é bom?

- Bom. Se alguém estoura os miolos por causa de uma criança isso é bom. E se alguém não estoura, também é bom. Se todos soubessem que estão bem, então estariam bem, mas enquanto não sabem que estão bem não estão bem. Eis toda ideia, toda, e não há mais outra.

 

- Imbecil, eu também sou um patife como tu, como todos, e não há um homem decente neste mundo. Não existe pessoa decente em lugar nenhum.

- Finalmente você adivinhou. Será que até hoje o senhor não compreendeu Kirílov, com a sua inteligência, que todos são iguais, que não existem nem melhores e nem piores, apenas mais inteligentes e mais tolos, e que todos são patifes? Kirílov, nunca pude compreender por que o senhor quer se matar. Sei que é por convicção...por firmeza. Ou estarei errado?

- Não, tu disseste bem; que seja por conforto. Deus é necessário, só isso deve existir.

- Mas eu sei que ele não existe nem pode existir. Se não existe Deus, então eu sou Deus, porque eu existo. Compreendeu? Se Deus existe, então toda vontade é Dele, e fora da vontade Dele nada posso. Se Ele não existe, então toda vontade é minha e sou obrigado a proclamar o meu arbítrio.

....

- Sou obrigado a me matar, porque o ponto mais importante do meu arbítrio é: eu mesmo me matar.

- Sabe de uma coisa senhor Kirílov, no seu lugar, para mostrar o meu arbítrio eu mataria qualquer um e não a mim mesmo. Poderia vir a ser útil.

- Tolo. Matar outra pessoa seria a parte mais vil do meu arbítrio; isso é para ti. Eu quero a parte suprema. Para mim não existe ideia superior à de que Deus não existe. Tenho atrás de mim a história da humanidade. O homem não tem feito outra coisa senão inventar um deus para viver, sem se matar; nisso consiste toda a história do mundo. Sou o único na história do mundo que pela primeira vez não quis inventar nenhuma espécie de divindade.

- Escuta Kirílov o que vou te falar: um dia, no centro da terra houve três cruzes. Um dos crucificados cria tanto que disse ao outro: ”Hoje estarás comigo no paraíso”. Terminou o dia, ambos morreram, foram-se e não encontraram nem paraíso nem ressurreição. A sentença não se justificou. Se as leis da natureza não pouparam nem aquele homem magnífico, mas obrigaram até Ele a viver no meio da mentira e a morrer pela mentira, então quer dizer que todo planeta é uma mentira e se sustenta na mentira e em um escárnio tolo.

- Esse é seu ponto de vista. Não compreendo como até hoje um ateu pôde saber que Deus não existe e não se matou no mesmo ato! Sou infeliz por ser obrigado a proclamar o meu arbítrio. Todos são infelizes porque todos temem proclamar seu arbítrio. O medo é a maldição do Homem. Durante três anos procurei o atributo de minha divindade e o encontrei: o atributo de minha divindade é meu arbítrio. Mato-me para dar provas de minha insubordinação e de minha liberdade terrível e nova. ”

 

*Reproduzido de https://www.recantodasletras.com.br/ , com tradução de Paulo Bezerra

 

fiodor

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski (1821-1881) , nascido em Moscou, é comumente taxado como um dos maiores romancistas e pensadores da história da humanidade. Foi escritor, filósofo e jornalista do Império Russo. Após formar-se em engenharia, Dostoiévski tornou-se escritor em tempo integral. Em seu legado estão romances, novelas, contos, memórias, escritos jornalísticos e escritos críticos. Também envolveu-se em atividades políticas. Explorou como poucos temas universais da literatura como o sofrimento, a culpa, o livre-arbítrio, o cristianismo, o racionalismo, o niilismo, a pobreza, a violência, o assassinato, o altruísmo; dentre outros. Deixar de ler pelo menos três de seus livros é um pecado imperdoável para aqueles que desejam experimentar paisagens mais altaneiras dos efeitos da literatura na mente humana


Voltar  

Confira também nesta seção:
27.11.20 19h00 » O voto e o veto
24.11.20 19h00 » Conversação e peixada*
24.11.20 19h00 » Sombra*
17.11.20 17h21 » Seleção de frases*
17.11.20 17h21 » O Primo Basílio (trecho)
10.11.20 20h00 » Do ensino*
10.11.20 20h00 » Os Demônios (trechos)*
10.11.20 19h50 » Ocaso e o caso
03.11.20 16h30 » Porque Lulu Bergantim não atravessou o Rubicon
03.11.20 16h30 » “No fundo os olhos nem doem”
27.10.20 19h00 » Eu não sou louco, talkei?*
27.10.20 19h00 » Frases famosas*
20.10.20 19h00 » Rastreio de contato
20.10.20 19h00 » As vinhas da ira (romance-trechos)*
20.10.20 19h00 » A partida*
13.10.20 19h00 » Aforismos*
13.10.20 19h00 » À Deriva*
06.10.20 22h12 » Febre*
06.10.20 19h00 » Dragões*
29.09.20 19h00 » Réquiem por Laís*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet