WikiLeaks, vazamento que incomoda

Vazamento incomoda...
 A gente aqui neste mundinho real, assim meio sem porteira, e o mundão virtual pegando fogo nos últimos dias. No centro das atenções, o site WikiLeaks, que foi sacado da web numa manobra cibernética (mas já voltou), depois de incomodar poderosos com o vazamento de informações secretas (ex-secretas, melhor dizendo)  obtidas por meio de “telegramas” de embaixadas e do governo estadunidense.  O site é definido como uma organização transnacional sem fins lucrativos, sediada na Suécia, destinada a livre publicação de informações obtidas por fontes anônimas, documentos, fotos e informações confidenciais, vazadas de governos ou empresas, sobre assuntos sensíveis.

Este cyber espaço enxaqueca, dizem, na web, foi fundado por dissidentes chineses, jornalistas, matemáticos e tecnólogos da Europa e de países como os EUA, Taiwan, Austrália e África do Sul. O australiano Julian Assange, jornalista e ciberativista é o diretor do WikiLeaks. No último dia 30, poucos dias após uma postagem barra pesada,  a pedido da justiça da Suécia, a Interpol distribuiu em 188 países, uma notificação vermelha, colocando Assange como procurado pela polícia, por causa de uma acusação de abuso sexual contra duas mulheres na Suécia.

Olhar frio e cortante de Assange
  Assange, que a gente saiba, está sumido, até o momento em que estas informações são postadas. Mas, nesta sexta (03-12), ele divulgou na mídia internacional que o WikLeaks está na web em outros endereços  (http://wikileaks.de/, http://wikileaks.fi/ e http://wikileaks.nl/) localizados respectivamente na Alemanha, Finlândia e Holanda. E disse também que as informações que detém já foram enviadas para um grande número de outros endereços virtuais. Assange registrou, ainda, que está sendo vítima da privatização da censura. Fica a impressão de que não tem mais como calar o sujeito. Ou melhor, como conter esse processo de vazamento de informações.

O site motivo da celeuma foi lançado no final de 2006 e quase um ano depois já continha 1,2 milhões de documentos, que fariam qualquer Michael Moore babar. Nesse acervo nebuloso, questões delicadas sobre a geopolítica mundial como as guerras do Iraque e do Afganistão. 

É curioso saber que o WikLeaks recebeu vários prêmios para novas mídias, incluindo o New Media Award 2008 da revista The Economist. Em junho de 2009 faturou o Media Award 2009 (categoria "New Media") da Anistia Internacional. Em maio deste ano o site foi referido como o número 1 entre os "websites que poderiam mudar completamente o formato atual das notícias".
De cyber pensador premiado e revolucionário, Julian Assange agora é  o vilão, procurado pela Interpol, por assedio sexual. Me faz lembrar aquele bordão de um antigo programa humorístico: ‘não precisa explicar, eu só queria entender’.

Da provável fonte do WikiLeaks, o soldado americano, de 22 anos, preso desde maio o comentário: “Deus sabe o que acontecerá agora. Espero que haja uma grande discussão mundial, debates, reformas”. Representantes do Partido Republicano, pedem a condenação à pena de morte.

Nesta altura dos acontecimentos cabe lembrar a antiga teoria sobre a Indústria Cultural, muito badalada no final dos anos 40, especialmente pelos filósofos e sociólogos alemães Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1895-1973), da Escola de Frankfurt.  O conceito de Indústria Cultural veio para definir a conversão da cultura em mercadoria e da utilização de veículos como televisão, jornais e rádio – naqueles tempos não tinha a internet – pelas classes dominantes, com o objetivo de disseminar suas ideias conformistas e manipular a população. Já ouviu essa história, ô meu?


Theodor Adorno: pensador e o espelho do futuro


Voltar  

Confira também nesta seção:
25.03.20 19h00 » Frases do filósofo*
25.03.20 19h00 » Memória, asas pra que te quero
19.03.20 00h10 » "A peste", dois parágrafos do romance*
19.03.20 00h05 » "Ensaio sobre a cegueira" (excerto)*
12.03.20 18h18 » Enquanto*
12.03.20 18h10 » Proposital*
12.03.20 16h17 » Ô louco...
05.03.20 18h33 » Um pingo de sensibilidade*
05.03.20 18h00 » Dr. Popox
27.02.20 17h00 » "Ensaio sobre a Jukebox" (trecho)*
27.02.20 17h00 » O enterro de Sinhô*
21.02.20 18h37 » Restos de Carnaval*
20.02.20 18h00 » O verbo automático e delirante
13.02.20 18h30 » Sâo Paulo*
07.02.20 19h11 » Iasmin, 'gratia plena'
06.02.20 18h30 » Ele*
30.01.20 21h44 » Esses motoqueiros barulhentos. E babacas
30.01.20 19h00 » Lasquinhas da obra machadiana*
24.01.20 17h00 » Após três meses, o fim da licença prêmio
20.10.19 12h00 » O ladrão*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet