PROSA

Um bilhete para Leonard Cohen*



lari

Ilustração de Dani Dias (@danidiasarte) produzida especialmente para este texto

É tudo adeus. Martelava a frase na cabeça, repetidamente, enquanto o chiclete passeava pela boca. Não tinha mais o gosto original de menta e, nem por isso, iria para o lixo. Mascava a goma e os pensamentos, sem querer se livrar de nenhum deles. Sabia de suas insistências, dos martelos invisíveis e pontas de faca que esmurrava sem dó e sem sangue.

Na biblioteca aconchegante, perdida num país que não era o seu, entre pessoas totalmente alheias, encontrou o bilhete ao abrir um livro. O pedaço de papel trazia a letra de Hey, that’s no way to say goodbye, canção do Cohen. Gostava dele e, especialmente, daquela canção. De quem seria a letra bem desenhada no bilhete, que mesmo deitada em papel sem pauta, insistia na retidão?

Ela tirou o celular do bolso, pôs o fone de ouvido, procurou pela música num aplicativo qualquer e fechou os olhos para escutar. Imaginou o rosto que não conhecia, as mãos que nunca tocou, a ocasião em que o bilhete ganhou vida. Quando abriu os olhos novamente, segurou a caneta com força e decidiu escrever em resposta à canção.

Caro Sr. Cohen, não sei quantas vezes já me despedi de alguém. Faço o tipo dos que preferem olhar o chão e encurtar ao máximo as despedidas. Talvez seja medo, talvez eu não saiba fazer diferente. Escuto tua canção e me preparo para um adeus que vai parecer abrupto, brusco, repentino. Mas é o meu adeus e é necessário. Há coisas que realmente não podemos desatar, como o passado. Eu sei que não somos novos, mas ainda temos tempo e ele é o melhor aliado. Isso não é jeito de dizer adeus, você diz, mas qual o jeito certo?

Um sinal sonoro avisou que a biblioteca fecharia em breve. Ela dobrou o bilhete em resposta à canção e o colocou dentro de um livro, nem observou o título da obra. Recolheu o caderno e as canetas espalhados sobre a mesa e se despediu do lugar. Enquanto saía, um pensamento martelava: é tudo adeus, pode reparar. 


*Croniconto de Larissa Campos. Para ler mais textos dela, acesse: http://www.laricampos.com/ 

mellissa rocha

lari

Larissa Campos é jornalista, escritora e podcaster. Profissionalmente, atua com Comunicação Pública e Digital. Nasceu em Manaus (AM), mas se considero mato-grossense de coração. É uma apaixonada por livros e escrita. Participa ativamente de dois clubes de leitura, sendo mediadora de um deles. No começo de 2020, criou o podcast "Além do Espelho" (@alemdoespelhopod), para contar histórias de mulheres e seus processos de autoconhecimento. Faz parte do Coletivo Literário Maria Taquara (Coletivo Literário Feminista de Autoras de Mato Grosso - MT). Recentemente lançou um site próprio para divulgar seus trabalhos de escrita. O endereço é www.laricampos.com .


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet