VERSO

Wladimir Cazé

fechada numa gaveta*


fechada numa gaveta
que talvez jamais se abra
fica intranquila a gaivota
trancadas atrás do portão
perenemente à espera
ariscas as feras estão
a cadeado cerrado
galopa dentro do armário
o antílope alucinado
a gazela em disparada
no carpete rasga pegadas
confinada entre paredes
contra as grades vulnerável
o gorila em agonia
abala as barras da jaula
garras forçando gaiola
ainda que ela atraia estima
não se domestica a águia

 

*Poema do livro "Minividas", reproduzido de http://www.mallarmargens.com/

margarida neide

wld cazé

Sérgio Wladimir Cazé dos Santos, ou apenas Wladimir Cazé já rodou pelo Brasil. Nasceu em Pernambuco, viveu na Bahia e em São Paulo e, atualmente, está no Espírito Santo. Tem formação acadêmica e experiências nas áreas de Jornalismo e Letras, com ênfase em Literatura Hispano-americana e Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: poesia, conto, tradução literária. Já lançous os livros "Microafetos" Edições K, 2005), "Macromundo" (Confraria do Vento, 2010) e "Minividas" (Cousa, 2018). Está presente em várias antologias


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet