ENTREVISTA

Com o expert Alexandre Teixeira*



divulgação

alexandre

Alexandre é jornalista, palestrante e escritor. Já passou por algumas das principais redações do país, como Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Época Negócios

Como se manter relevante no mercado de trabalho em um mundo cada vez mais guiado pela inteligência artificial e pelos algoritmos? O que os profissionais e empreendedores da Nova Economia precisam saber sobre essas transformações e como a pandemia do novo coronavírus está acelerando essas mudanças?

Para conversar sobre esses assuntos, a plataforma A Vida no Centro entrevistou o jornalista, palestrante e escritor Alexandre Teixeira, que em breve lançará, em parceria com Clara Cecchini, um livro sobre o impacto das novas tecnologias de automação no mundo do trabalho.

“As máquinas já criam em todos os campos, inclusive no artístico, mas num nível em que ainda não se tornaram uma ameaça ao trabalhador de carne e osso”, afirma Teixeira, que também é um dos fundadores da ODDDA, nova plataforma de tendências em desenvolvimento humano. “Por isso, pensar em aprender sempre e se perguntar o tempo todo ‘qual a próxima coisa que preciso aprender’ – e também ser ágil para adquirir novas disciplinas e se desapegar de coisas que já aprendeu antes – talvez nos dê uma ideia de como se manter um passo à frente da automação”.

Com passagem por algumas das principais redações do país, como Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Época Negócios, Teixeira é palestrante com experiência internacional, especializado em motivação e desenvolvimento organizacional. Autor dos livros “Felicidade S.A”, “De Dentro Para Fora”, (finalista do Prêmio Jabuti em 2016) e “Rotinas Criativas”, Teixeira tem como tema de fundo em suas pesquisas as profundas transformações do mundo do trabalho e dos negócios neste começo de século 21.

A entrevista

Pergunta. Você vai lançar em breve o seu quarto livro, que aborda o futuro do trabalho. Pode contar mais sobre o tema analisado na obra?
Resposta. Futuro do trabalho é um tema super amplo, tenho um pouco de medo dele porque está cheio de futurólogo por aí. O livro novo é minha primeira coautoria ?a parceira no projeto é a Clara Cecchini, uma atriz de formação que também trabalhou no Terceiro Setor. Hoje ela é uma consultora apaixonada e estudiosa por educação e aprendizagem, o que dá uma ideia importante a respeito de um dos temas do livro. A obra parte de uma questão, de um diagnóstico sobre como as novas tecnologias de automação ?que estão muito ligadas ou movidas à inteligência artificial e machine learning? estão provocando e vão provocar ainda mais no mundo do trabalho nas próximas décadas. Uma segunda questão importante é como se manter relevante nesse novo mundo do trabalho, em que uma parte crescente das atividades vai ser desempenhada por máquinas inteligentes. Tratei muito mais do diagnóstico e dos impactos das novas tecnologias sobre o mundo do trabalho, e a Clara trouxe conhecimento e pesquisa sobre como se manter eternamente aprendendo para, se possível, estar sempre um passo à frente dos processos de inovação.

P. Como fazer para estar sempre aprendendo e um passo à frente?
R. É bem difícil, não tem uma fórmula pronta. Uma das recomendações inevitáveis é manter uma atitude que a gente chama no livro de um eterno aprendiz. Outro conceito importante é o de aprendiz ágil. É até uma brincadeira com “aprendizagem/aprendiz ágil”. O que é um aprendiz ágil? É trazer um pouco dessa ideia de agile, de ser ágil e flexível, algo que está muito forte no mundo corporativo. No caso da aprendizagem, é sempre se perguntar o que é necessário aprender em termos de competências novas. Isso vale tanto para aquelas competências mais duras, como programação, como para o desenvolvimento de soft skills, o que tem a ver com aprender a se relacionar melhor com as pessoas e com criatividade. Criatividade talvez seja um conceito-chave desse novo desafio, porque as máquinas fazem já muita coisa. Elas estão aprendendo rápido a fazer tarefas, mas ainda são bastante limitadas em relação à criatividade. As máquinas já criam em todos os campos, inclusive no artístico, mas num nível em que ainda não se tornaram uma ameaça ao trabalhador de carne e osso. Por isso pensar em aprender sempre e se perguntar o tempo todo “qual a próxima coisa que preciso aprender” – e também ser ágil para adquirir novas disciplinas e se desapegar de coisas que já aprendeu antes – talvez nos dê uma ideia de como se manter um passo à frente da automação.

P. Isso pode ser um pouco difícil para as pessoas, já que a experiência e o conhecimento acumulados teriam menos importância do que tinham antes?
R. Sim e não. Por um lado é verdade porque coisas que aprendemos ao longo da vida se desatualizam e se desvalorizam. Quase tudo que é repetitivo se desvalorizou e seu valor vai tender a zero porque as máquinas vão fazer. E aqui posso falar tanto de gente de contabilidade como de jornalismo, por exemplo. O levantamento de dados mais cotidianos e a apresentação disso para o público – seja na área financeira, como informações sobre o movimento da Bolsa de Valores, seja na área esportiva, como noticiar placar de jogos de futebol – podem ser consideradas tarefas repetitivas. Dentro das empresas, hoje já existe de uma série de “robôs”, os algoritmos, que fazem esse tipo de trabalho. Então essa experiência adquirida em funções repetitivas, sim, está se desvalorizando. Mas quando pensamos em atributos de liderança, relacionais, tudo o que é ligado à criatividade e a métodos criativos não está se desvalorizando, até onde consigo enxergar. Talvez ao contrário: a experiência acumulada no gerenciamento de equipes, por exemplo, pode vir a ser mais valorizada do que no passado.

P. Pensando nas transformações do mundo do trabalho, que sugestões você daria para profissionais de economia criativa? Lembrando que nesse universo há muitos profissionais freelancers que trabalham sozinhos, pessoas que fazem parte da chamada gig economy.
R. São duas questões difíceis de sintetizar na mesma resposta. A própria expressão gig economy soa charmosa, mas podemos pensar nela como a economia do bico.

P. E da precarização do trabalho. 
R. Essa é a primeira ressalva. Quando falamos de gig economy, estamos falando de quem? De profissionais como vocês e eu, que em alguma medida têm atividades desenvolvidas por conta própria, ou dos milhões de brasileiros que estão vivendo de bico durante a pandemia? Muitas pessoas já viviam assim antes, mas agora há uma aceleração do desemprego e mais pessoas recorrem a essa economia do bico. É preciso fazer essa distinção. Mas para pessoas que têm uma qualificação razoável, que têm capacidade de se manter aprendendo, essa mudança na maneira de enxergar o trabalho traz oportunidades e desafios. Por um lado há uma insegurança crescente, com a precarização das relações de trabalho, algo predominante num país desigual como o Brasil. Mas quando olhamos para uma determinada camada da pirâmide social, a flexibilidade surge como um valor importante. E se tem muita gente trabalhando por conta própria, o grande diferencial é a capacidade de criar, de trazer algum tipo de inovação para aquilo que, de outra maneira, seria commodity.

P. A pandemia escancarou a precarização do trabalho. Não é só no Brasil, mas também nos EUA, uma economia dinâmica que estava com pleno emprego e que agora passou a ter um desemprego muito elevado. Há um universo grande de pessoas sem proteção social, pois tinham só aquele emprego e não têm reservas. Você acredita que o coronavírus vai mudar a maneira como se enxerga a gig economy?
R. Precisa mudar. Se não mudar, será uma irresponsabilidade grotesca da sociedade. O processo de precarização do trabalho está em curso há bastante tempo. O que a pandemia traz é uma brutal aceleração desse processo - não só desse, mas de todos os outros. A pandemia da Covid-19 não cria novas realidades, mas acelera processos de mudança que já vinham acontecendo, inclusive o da precarização das relações de trabalho. Nos EUA isso acontece ainda mais rápido porque lá existe uma legislação de trabalho bem mais flexível que a nossa, o que tem um lado bom e um ruim. O ruim é que é mais barato e rápido para as empresas demitirem. A gente viu a taxa de desemprego nos EUA cair de um nível que era baixíssimo, entre 4% ou 5%, um regime de pleno emprego na prática, e agora subir para a casa dos 25%, dependendo da maneira de como se faz o recorte dos números. No Brasil não há um movimento tão rápido de demissões, porque é mais caro demitir aqui, mas isso também já está acontecendo de maneira expressiva.

fabrikbrands

gig

As máquinas já criam em todos os campos, inclusive no artístico, mas num nível em que ainda não se tornaram uma ameaça ao trabalhador de carne e osso

P. No Brasil temos como problema o fato de que só metade da força de trabalho era formalizada. Isso quer dizer que há uma proteção maior para o trabalho formal, mas metade da força de trabalho já estava desprotegida. Nesse sentido, essas pessoas estão sem nada.
R. Era mais ou menos metade, e vai ser muito mais a partir de agora. As pessoas estão perdendo emprego e vivendo de bico. Essa realidade, que agora está escancarada, vai ter de ser tratada. Porque várias forças importantes de transformação que vemos hoje convergem para o aumento da desigualdade e da precarização. Estávamos falando das novas tecnologias como uma ferramenta de automação. Isso tem um lado muito positivo porque gera um aumento brutal da produtividade do trabalho, mas também tem um lado ruim, que é aumentar o abismo entre trabalhadores muito qualificados e criativos e aqueles que têm um nível de qualificação de médio para baixo. Existe um elemento aí que tende a colocar a desigualdade num ponto inédito na história da humanidade. Se somarmos a pandemia a isso, o processo é acelerado.

P. A pandemia trouxe a educação a distância para o primeiro plano, mas isso impõe o desafio de ensinar e de aprender remotamente. O que você projeta para essa área?
R. Aprender remotamente é um desafio, e não funciona bem para todo mundo. Durante um bom tempo vai ser necessário aprender de forma remota ou desistir de aprender. Idealmente, haverá um momento no futuro em que vão se desenvolver modelos híbridos de aprendizagem – uma parte a distância, uma parte presencialmente. Porque experiência é uma parte muito importante nesse processo. Mas essa aprendizagem que se dá em casa, só com você e o computador ou celular, é nova pra todo mundo. Isso traz inovação muito rapidamente em modelos de EAD ? seja numa live ou aula online ? e também em soluções que possibilitem que as pessoas mantenham um registro de seu aprendizado de forma que não ele não fique tão disperso ou caótico. Porque se você começar simplesmente a assistir lives e a comprar cursos, sem nenhum método e sem registrar em algum lugar o que aprendeu, é como se você não monitorasse o que está aprendendo. Isso talvez seja empobrecedor para você mesmo e para sua carreira, na medida em que não sinaliza para o seu empregador atual ou futuros empregadores ou clientes o que está sendo agregado à sua formação.

P. A pesquisa e a redação do seu novo livro foram feitas antes do coronavírus. Fazendo uma análise hoje, você diria que a pandemia mudou sua visão a respeito de alguma área ou tema abordado na obra?
R. O livro realmente não traz uma reflexão sobre como a pandemia impacta os processos de transformação no mundo do trabalho ou de aprendizagem, pois ele está na editora neste momento. Uma ideia que considero fundamental – para todos os processos anteriores e também agora – é a da pandemia da Covid-19 como uma grande máquina do tempo, uma aceleradora de partículas culturais. Digo isso no sentido de que vários pequenos movimentos que estavam sendo gestados havia tempo agora são acelerados ? o coronavírus não traz nada de novo. Se observamos o mundo do trabalho, há um conceito estabelecido que é o de ROWE (Results Only Work Environment,ou ambiente de trabalho apenas de resultados). Esse tipo de ambiente é, por definição, mais flexível e mais fluído. Se um gestor está preocupado apenas com o que o funcionário vai entregar, por princípio ele não precisa se preocupar – a não ser que esteja numa operação fabril ou de serviços presenciais ao público – em saber onde e em que horário as pessoas da equipe dele estão trabalhando.

P. Com a pandemia isso está ficando mais forte, não?
R. Muito mais forte. Vejo muitas empresas que antes eram resistentes a liberar um dia de home office por semana para suas equipes sendo obrigadas agora a trabalhar com 100% de forma remota todos os dias da semana. É um experimento que de outra maneira não aconteceria. E o que isso revela? Como regra, trabalhar remotamente aumenta a produtividade - isso também não é novo, existe farta literatura sobre isso desde 2012. E também não vale pra todo mundo, há várias ressalvas: muitos não se adaptam ou não têm condições de trabalhar em casa por não terem um ambiente minimamente confortável. Mas a regra é que o trabalho remoto aumenta a produtividade. Ele tende, porém, a reduzir a criatividade. Isso porque uma parte importante do processo criativo é a fricção das ideias, aquele momento em que se coloca uma ideia para “apanhar”, para que ela seja encorpada ou descartada. Isso muito vezes acontece no ambiente presencial, no cafezinho, naquele momento em que você, enquanto toma água ou café, começa a conversar com um colega da empresa, que pode ser até outra área. É assim que às vezes surge uma ideia nova, que pode ser melhorada ou derrubada.

 

*Texto publicado originalmente na plataforma A Vida no Centro (https://avidanocentro.com.br/). Reproduzido a partir de https://brasil.elpais.com/

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet