MACP-UFMT

Pintura e Verso, artes de Humberto Espíndola



espindola

 

“Pintura e Verso” nomina exposição e livro que chegam ao público cuiabano nesta terça (24), às 19h, no Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT (MACP). Um reencontro da produção do grande artista Humbero Espíndola, de Mato Grosso do Sul, mas que está sempre neste nosso Mato Grosso. Humberto, aliás, é forte expressão da cultura brasileira, notadamente, do Centro Oeste, desde antes de MT e MS tornarem-se um só Estado.

A novidade que traz este evento é a poesia de Espíndola, já que sua principal área de atuação, ao longo de décadas, vem sendo as artes plásticas.

A mostra reúne dez obras históricas do artista e escritor Humberto Espíndola e permanece em cartaz no MACP até quatro de outubro. Realiza-se através de parceria que envolve a UFMT, a Entrelinhas Editora e a Galeria MIrante das Artes.

O lançamento do livro e a exposição compõem a programação do MACP-UFMT na 13ª Primavera dos Museus, evento nacional do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), no qual, museus de todo o país oferecem ao público atividades especiais, como visitas mediadas, palestras, oficinas, exibição de filmes e muito mais. O livro será lançado pelo selo Entrelinhas Editora e a exposição de arte conta com organização e expografia de Thania Arruda e Willian Gama e produção executiva de Amanda Gama.

espindola

Livro tem edição de luxo, com tiragem limitada

A coordenadora de Cultura da UFMT Thania Arruda ressalta que Humberto Espíndola tem uma obra que vai muito além do temário, e que sua arte ganha amplitude ao retratar, com crueza, às vezes visceral, um Brasil “profundo” cheio de contradições e em busca de ascensão. Mariza Bertoli, crítica de arte, destaca que “quanto mais se afirma a regionalidade na densidade expressiva da obra, mais ela se investe de universalidade porque o território cultural não se contém nos limites da geopolítica, os códigos culturais avançam, criando sobreposições enriquecedoras, miscigenando-se”.

O curador de arte Willian Gama destaca a importância de que o espectador se deixe levar pela própria sensibilidade, para compreender que a obra do artista vai muito além do boi. Gama lembra que o tema é comum para o homem que habita o Brasil central, mas reflexiona através dessa pintura uma verdade geopolítica e socioeconômica existente desde os primórdios civilizatórios da humanidade.

A partir deste lançamento em Cuiabá, os que acompanham a trajetória de Humberto Espíndola, artista de grande representatividade para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, vão se surpreender com a apresentação da sua veia literária, de mãos dadas com o artista visual.

Em “Pintura e verso”, edição limitada de livro de arte em capa dura, Espíndola apresenta poemas que começou a escrever a partir de 2011, quando Marcio Markendorf, professor doutor na área de literatura, escritor e ensaísta, lhe apresenta o Twitter. O artista reconheceu na ferramenta um grande potencial para a literatura e por meio dela aconteceu um "grande encontro". O livro totaliza  77 obras acompanhando 109 poemas.

willian gama

espindola

Espíndola acaba de receber dois títulos de Doutor Honoris Causa: um pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e outro pela Universidade Católica Dom Bosco

Para Marcio Markendof, “Pintura e verso” figura como um trabalho comemorativo dos 50 anos de bovinocultura, oferecendo ao leitor outro produto criativo derivado da exploração estética da figura bovina – a escrita literária. E acrescenta: “Inspirado pelos ideais do muralismo mexicano, Humberto

Espíndola produziu um tipo singular de arte na abordagem de um elementosímbolo da cultura de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”. 

Markendof encerra a sua apresentação destacando: “o conjunto de relações evocadas até agora justifica este trabalho único na literatura brasileira e nas artes visuais, concebido como projeto verbo-visual para os fins comemorativos da arte cinquentenária da bovinocultura. O encontro da pintura e da poesia, no jogo da reinvenção artística, por fim, pede a reescrita do aforismo inicial: „Como na pintura, o poema-boi?.

A editora do livro, Maria Teresa Carrión Carracedo, reforça que a atualidade, a enorme carga simbólica e a força da obra de Espíndola surpreendem com frequência: “Mergulhados em uma grande polêmica internacional em relação às trágicas queimadas e ao desmatamento criminoso na Amazônia, eis que o artista nos oferece em seu livro a obra `Devastação da Amazônia´, um óleo sobre tela de 1980 (130 x 170 cm), magnífico e icônico, pertencente ao acervo do Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT – o mesmo museu que ajudou a fundar na década de 1970, com a crítica de arte e animadora cultural Aline Figueiredo"

Para a obra "Devastação Amazônica" Espíndola escreveu o seguinte poema: "Ah esse Nortão / do mato grosso e misterioso... / Verde ainda te quero / Via sacra de quadros dolorosos / Madeiro de cruzes / e oxigênios derramados". "É impossível ficar indiferente a uma obra ou a um poema de Espíndola", conclui Carracedo.

Como reconhecimento aos 50 anos dedicados à bovinocultura e por meio dela à reflexão e discussão de vanguarda de questões importantes para o Brasil e o mundo, destacadamente em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Espíndola acaba de receber dois títulos de Doutor Honoris Causa. Um pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e outro pela Universidade Católica Dom Bosco. (*com assessoria)

espindola

`Devastação da Amazônia´, um óleo sobre tela de 1980 (130 x 170 cm), magnífico e icônico, pertencente ao acervo do MACP-UFMT

SERVIÇO

O QUE: abertura de mostra e lançamento do livro "Pintura e Verso", de Humberto Espíndola
ONDE: Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT
QUANDO: terça-feira (24), às 19 horas
VISITAÇÃO: até quatro de outubro, das 8h às 17h
INFORMAÇÕES: (65) 992511805

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet